terça-feira, 7 de agosto de 2012

Itinerário




O tempo passado era simplório
pois podia fazer-me palmilhar pela estrada
Como se todo o conhecimento
estivesse a disposição
Como se todos os sentimentos
não fossem condignos
Em meu itinerário
Tua verve aderia consistência
A mim,
consciência
Mas o tempo futuro era altivo
e concedeu-te calma, ofereceu-te amor
Como se haverás de permanecer
enternecido
Como se refestelarás 
enfim
Em meu  itinerário
Teus desenhos aderiam sobriedade
A mim,
afanação
E o tempo presente tornou-se vil
pois estou afastada de tua verve
Como se todo conhecimento
fosse maculado por mim
Como se eu permanecesse
parada na estrada
Meu itinerário
está parco
Eu,
conflagrada